Peregrinar é preciso…

Em nossa mensagem de final de ano pedimos ao Senhor que neste ano de 2021 desperte em cada um de nós o peregrino que existe em nosso interior, pois peregrinar é preciso.

Muitos de nossos amigos nos perguntaram:

Por que peregrinar é preciso?

Neste nosso primeiro post de 2021, vamos dividir com vocês algumas razões que nos mostram que peregrinar é preciso em nossa caminhada para o Céu.

De acordo com o Catecismo da Igreja Católica:

“As peregrinações evocam nossa caminhada pela terra em direção ao céu. São tradicionalmente tempos fortes de renovação da oração. Os santuários são para os peregrinos, em busca de suas fontes vivas, lugares excepcionais para viver “como Igreja” as formas da oração cristã.” ( CIC §2691)

Peregrinar é sair de seu lugar habitual e ir a outro atendendo a um chamado de Deus para ter um encontro pessoal com Ele e é Ele quem nos convida a este encontro com promessa de bênçãos da mesma forma como convidou o primeiro peregrino da bíblia sagrada, Abraão, conforme nos é relatado em Genesis.

“O Senhor disse a Abrão: “Deixa tua terra, tua família e a casa de teu pai e vai para a terra que eu te mostrar. Farei de ti uma grande nação; eu te abençoarei e exaltarei o teu nome, e tu serás uma fonte de bênçãos. Abençoarei aqueles que te abençoarem, e amaldiçoarei aqueles que te amaldiçoarem; todas as famílias da terra serão benditas em ti.” (Gn 12, 1-3)

A peregrinação, assim como todo chamado espiritual, é uma jornada da alma, que quer se maravilhar, se encantar com as coisas do sagrado. O peregrino em sua jornada resiste à força que o arrasta para as experiências deste mundo, e por ser um chamado, chega como uma inspiração, como um desejo irresistível de beber naquela fonte, aceitando o desafio de revelar-se a si mesmo.

O peregrino, ao observar as paisagens, os locais, o faz com a visão do olho do espírito, pois não está a buscar descanso ou prazeres da recreação, ao contrário, busca um lugar sagrado, dentro de si mesmo, todavia para isto acontecer preciso estar aberto, preparado espiritualmente para receber estes dons.

Phil Cosineau, em seu livro A Arte da Peregrinação (Ed. Agora) nos ensina que o mais importante na jornada do peregrino é quão profundamente ele pode ver, quão interiormente pode ouvir, quão proveitosamente podem ser travadas essas pelejas em seu coração e sua alma.

Em nossos grupos, a combinação constante da história, paisagens aliados ao espírito de oração permitem a nossos peregrinos recuperarem a dimensão divina que se abriga em cada coração peregrino, proporcionando, assim, a expansão do peregrinar para suas famílias, amigos que ficam em suas casas, mas se somam, mesmo que de longe, à vocação peregrina. A graça, o milagre alcançado, enfim, o sagrado cruza fronteiras!

A palavra peregrinação vem do latim per agros, que significa “pelos campos”. De forma popular, seria uma jornada rumo a lugares santos ou de devoção, ainda que o peregrino não siga uma religião específica.

Todos nos lembramos da grande peregrinação que o povo de Deus fez pelo deserto junto com Moisés.

Nos salmos proclamamos:

“Que alegria quando me disseram, vamos para casa do Senhor: Eis que meus pés se estacam diante de tuas portas, oh Jerusalém.” (Salmo 121)

Jesus também foi um peregrino. Como um bom judeu, saía da Galileia e em peregrinação dirigia-se até Jerusalém para celebrar as grandes festas solenes conforme nos narra o evangelho de são Lucas:

“Tendo ele atingido doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume da festa. Acabados os dias da festa, quando voltavam, ficou o menino Jesus em Jerusalém, sem que os seus pais o percebessem. Pensando que ele estivesse com os seus companheiros de comitiva, andaram caminho de um dia e o buscaram entre os parentes e conhecidos. Mas não o encontrando, voltaram a Jerusalém, à procura dele.” (Lc 2, 42-45)

A peregrinação era, para o povo judeu, a memória da aliança com Deus: “Vós sereis o meu povo e eu serei o vosso Deus”. Por isso, toda peregrinação é renovação do compromisso com os valores da nossa fé.

Inspirados pelas Sagradas Escrituras os cristãos sempre realizaram peregrinações aos lugares sagrados alimentando a fé da comunidade que caminha ao encontro de Deus.

Assim, entendemos que a importância do peregrinar está na dimensão da renovação espiritual e também em aprender a dar valor às coisas que realmente são importantes na vida. Toda peregrinação nos leva para um mergulho em nosso coração, onde encontramos o Deus que nos habita e que revela o verdadeiro valor da vida. Peregrinamos por causa da fé e peregrinamos para alimentar nossa fé.

Por isso, toda peregrinação tem por objetivo nos levar a dar mais valor às coisas de Deus e a permitir que Deus volte a estar no centro de nossa vida.

E por estas razões peregrinar é preciso.