Beata Elena Guerra: Apóstola do Espírito Santo

2020-06-28
Espiritualidade

No último dia 23/06 tivemos a oportunidade de relembrar o aniversário da Beata Elena Guerra. Neste momento muitos dos membros de nossa família SanPioTur já começam a estruturar a sua participação no 2° Congresso Internacional de Aprofundamento de Carismas, que ocorrerá no próximo ano no período de 23 de agosto a 05 de setembro, quando em um grande Retiro Sobre Rodas na Polônia e Itália visitaremos locais que marcaram a história da nossa igreja finalizando em Lucca, junto à Beata Elena Guerra. Seremos revigorados, através de momentos de muitas bênçãos e graças de um novo pentecostes, e por esta razão queremos dividir com todos um pouco da história dela, a Apóstola do Espírito Santo de nossos tempos.

Elena Guerra nasceu em Lucca, na Itália, no dia 23/06/1835. De família profundamente religiosa, Elena durante um período de enfermidade se dedicou a meditar a Palavra de Deus e a estudar os escritos dos Padres da Igreja, o que determinou seu discernimento na vida espiritual e no seu apostolado. Em abril de 1870, participou de uma Peregrinação a Roma e assistiu, na Basílica de São Pedro, a terceira sessão do Concílio Vaticano I na qual foi aprovada a Constituição “Dei Filius” sobre a Fé. Isto a comove de tal maneira que decide ofertar toda a sua vida em oração pelo Papa.

No ano de 1871, Elena juntamente com um grupo de Amigas Espirituais e Filhas de Maria, deu início a uma nova experiência de vida religiosa comunitária, que em 1882 culminará na fundação da “Congregação das Irmãs de Santa Zita”, dedicada à educação cultural e religiosa da juventude. É neste período que Santa Gemma Galgani se torna “sua aluna dileta”. Em 1886, Elena sente um forte apelo a trabalhar na divulgação da Devoção ao Espírito Santo na Igreja. Escreve muitas vezes ao Papa Leão XIII para exortá-lo a convidar “os cristãos modernos” a redescobrirem a vida segundo o Espírito.

O Papa, com base em suas cartas, endereça à Igreja alguns documentos que são uma introdução à vida segundo o Espírito e o início do “retorno ao Espírito Santo” dos tempos atuais:

  • “Provida Matris Charitate” em 1895: Breve Apostólico com o qual pedia que fosse celebrada a Novena de Pentecostes em toda Igreja.
  • “Divinum Illud Munus” em 1897: primeira Encíclica dedicada ao Espírito Santo na história da Igreja.
  • “Ad fovendum in christiano populo” de 1902: carta pedindo que Bispos e Sacerdotes pregassem sobre o Espírito Santo e recordassem da obrigatoriedade da Novena do Espírito Santo.

Em Outubro de 1897, Elena é recebida em audiência por Leão XIII, que a encoraja a prosseguir o apostolado pela causa do Espírito Santo e autoriza também a sua Congregação a mudar de nome para melhor qualificar o carisma próprio na Igreja: as Oblatas do Espírito Santo. A exortação do Papa é uma ordem para ela, que se dedica ainda com maior empenho a causa do Espírito Santo, aprofundando o verdadeiro sentido do “retorno ao Espírito Santo”.

Elena é profundamente impressionada por tudo o que acontece no Cenáculo histórico da Igreja Nascente: ali, Jesus se oferece como vítima a Deus para a salvação dos homens; ali, institui o Sacramento de Amor, a Eucaristia; ali, aparece aos seus depois da ressurreição e ali, enfim, manda de junto do Pai o Espírito Santo. Ela entende que a Igreja é o prolongamento do Cenáculo.

É neste Cenáculo do Mistério Pascal, no qual o Senhor Ressuscitado reúne a cada um de nós e cada fiel em particular, que fomos inseridos pelo Espírito mediante o Batismo e a Crisma e capacitados a participar da Eucaristia, que é uma assembleia de confirmados, e, portanto, semelhantes à primeira comunidade do Cenáculo depois da descida do Espírito Santo. Com este entendimento, Elena concebe e inicia o “Cenáculo Universal” como movimento de oração ao Espírito Santo.

Elena morreu no dia 11 de Abril de 1914, Sábado Santo, com o grande desejo no coração de ver “os cristãos modernos” tomando consciência da presença e da ação do Espírito Santo em suas vidas, condição indispensável para a verdadeira “renovação da face da terra”.

Em 26 de abril de 1959, nos preparativos para a convocação do Concílio Vaticano II, o verdadeiro Pentecostes dos nossos tempos, o Papa São João XXIII, eleva Elena Guerra à honra dos altares fazendo-a a primeira Beata do seu Pontificado, quando a definiu “Apóstola do Espírito Santo dos tempos modernos”. Naquele dia, em sua homilia, o Papa afirmou:

A mensagem de Elena Guerra é sempre atual. Todos sentimos a necessidade de uma contínua Efusão do Espírito Santo, como a de um Novo Pentecostes, que renove a Terra.

Nenhum outro santo deu tanto, orou tanto e sofreu tanto pela causa do Espírito Santo como Elena Guerra. Ela nos exorta:

Outrora, Jesus manifestou seu Sagrado Coração, agora quer manifestar o seu Espírito!

Fonte: BRAGA, Pe. Eduardo (Dudu). Escritos de fogo: A correspondência profética entre a Beata Elena Guerra e o Papa Leão XIII sobre o Espírito Santo. Ed. Cenáculo Universal, 2015.

Encerramos pedindo que as intenções do Congresso e participantes sejam colocadas desde agora em suas orações, para que, assim como Maria e os Apóstolos que perseveraram unânimes e concordes em oração por nove dias consecutivos no Cenáculo, possamos também, neste congresso, com a realização da novena profética de Elena, nos prepararmos com um novo pentecostes a cada dia para vivermos um grande cenáculo.

Se você se interessou participar do Congresso, entre em contato conosco.

Beata Elena Guerra, Apóstola do Espírito Santo, Roga por nós e para que o Novo Pentecostes renove a Igreja, nossos corações e o mundo!

WhatsApp chat