23 de setembro: Celebração da passagem de Padre Pio para a casa do Pai

2021-09-19
Espiritualidade

Nesta semana em que celebramos a memória festiva de nosso pai espiritual, São Pio de Pietrelcina, queremos compartilhar um pouco de sua história e exemplos.

Era a última noite de verão e início do outono na Itália, quando Padre Pio deixou a vida terrena para se juntar ao Pai. 23 de setembro de 1968 é uma data memorável, marca o trânsito de nosso inesquecível Padre Pio para a vida após a morte.

Durante toda sua vida sacerdotal, Padre Pio iniciava seus dias despertando-se a noite, muito antes da aurora, dedicando se a oração e com grande fervor aproveitava a solidão e o silêncio da noite. Visitava diariamente por longas horas a Jesus Sacramentado, preparando-se para a Santa Missa, e daí sempre tirou as forças necessárias, para sua grande missão com as almas, levando-as até Deus no Sacramento da Confissão.

Grandes multidões, de todas as nacionalidades, passaram por seu confessionário. Alguns esperavam até duas semanas para conseguir confessar-se com ele. As conversões foram inumeráveis. Diariamente recebia centenas de cartas de fiéis, que pediam seu conselho iluminado e sua direção espiritual, a qual sempre significava um retorno a serenidade, a paz espiritual e ao colóquio com Deus.

Quem participava na celebração Eucarística de Padre Pio não podia ficar tranquilo em seu pecado. Depois da Santa missa, Padre Pio se sentava no confessionário por longas horas, dando preferência aos homens, pois ele dizia que eram os que mais necessitavam da confissão.

Se em vida o número de pessoas que lhe procuravam era enorme, após a sua morte o número aumentou e continua a crescer. O fluxo de peregrinos ao Santuário em San Giovanni Rotondo, onde estão seus restos mortais supera oito milhões de peregrinos anualmente.

Apesar de todo essa atração que Padre Pio sempre exerceu nas pessoas ele sempre viveu em profunda humildade sendo que podemos afirmar que a humildade foi uma de suas principais virtudes a ponto dele ter escrito:

“Eu não sou como Deus me fez, contudo eu sinto que teria que fazer um maior esforço para fazer um ato de orgulho que um ato de humildade. Porque humildade é verdade, e a verdade é que eu não sou nada, e todo o bem que está em mim é de Deus. E nós frequentemente deterioramos até mesmo o bem que Deus pôs em nós. Quando as pessoas me pedem algo, eu não penso no que eu posso dar, mas no que eu não sei dar, e das muitas almas que permanecem sedentas porque eu não lhes soube dar o presente de Deus”.

Uma das missões dos sacerdotes é frequentemente serem chamados a ocuparem se com os doentes e sofredores e Padre Pio, fiel a esta missão sempre viu Jesus nessas pessoas e para aliviar a dor dos sofredores foi pessoalmente responsável pela construção da “Casa de Alívio do Sofrimento”, ao lado de seu mosteiro onde até os dias atuais muitas pessoas relatam curas que eles acreditam que receberam de sua intercessão.

A preocupação de padre Pio para aliviar o sofrimento dos outros era tanta, que um dia ele escreveu:

“Se eu sei que uma pessoa está aflita, seja em sua alma ou em seu corpo, suplicarei a Deus para vê-la livre de seus males. De boa vontade tomaria todos os seus sofrimentos para vê-la salva e cederia os frutos de tais sofrimentos em seu favor”.

Os estigmas que ele carregou em seu corpo por 50 anos causavam lhe não só sofrimento físico, mas também espiritual. Algumas pessoas questionaram a autenticidade dos estigmas e as autoridades da Igreja como resultado disto não lhe permitiram celebrar missa pública ou ouvir confissões durante muitos anos. Ele suportou todo este sofrimento pessoal, e por isto ele deve ser o modelo para todos nós que de vez em quando somos chamados a suportar alguma humilhação ou crítica imerecida e injusta. Nesse sentido, Padre Pio deve ser também modelo para os sacerdotes, que experimentem muito amor e afirmação do seu povo, mas às vezes também pode ser difamado e desacreditado.

Padre Pio, ao longo de sua vida, tinha uma ansiedade sacerdotal para as pessoas que se desviavam do rebanho de Cristo. Era através de sua oração constante que estes voltariam e experimentar a misericórdia de Deus e redescobrir a beleza e a alegria de ser cristãos.

Padre Pio é uma inspiração para todos nós, e nos indica que devemos servir a igreja como outros Cristos. Nesta semana em que celebramos a sua festa, vamos nos unir em oração por nossas intenções pessoais e principalmente por todas as pessoas que em estão sofrendo com os reflexos da pandemia para que Deus pai, pela intercessão de Padre Pio, nesta semana em que celebramos o seu dia, nos conceda as graças que necessitamos, mas acima de tudo a humildade ensinada por ele.

Padre Pio! Rogai por nós e pelo mundo e que sua mãe, nossa amada “Mama Pepa”, também nos conceda sua benção!