Basílica de São Paulo Fora dos Muros: O tumulo do grande Apóstolo

Em nossa última postagem compartilhamos com vocês um pouco sobre a Abadia das Três Fontes, o local da prisão e do martírio de São Paulo, hoje queremos dividir alguns aspectos da Basílica de São Paulo Fora dos Muros, onde, segundo a tradição, o grande apóstolo está sepultado.

Conforme a tradição que se transmite desde os primeiros séculos, Paulo foi decapitado no período da perseguição de Nero. A decapitação era reservada somente aos cidadãos romanos pois era uma pena de morte considerada digna.

O martírio ocorreu onde hoje existe a Abadia das Três Fontes ao longo da Via Laurentina sendo sepultado em um cemitério da Via Ostia, em um sepulcro de uma cristã de nome Lucina, onde atualmente se encontra a Basílica de São Paulo Fora dos Muros, sempre em Roma, a cerca de 5 quilômetros do local do martírio.

Esse sepulcro se tornou um lugar de visitação e oração e ainda nos primeiros séculos foi erguida uma pequena igreja, porém logo se tornou muito pequena para acomodar o grande número de peregrinos o que levou o imperador Constantino, filho de Santa Helena, convertido ao cristianismo em 313, a iniciar as obras da grande Basílica a qual foi consagrada sobre o Pontificado do Papa Silvestre, em 324, sendo considerada a maior basílica de Roma até 1626, quando foi consagrada a Basílica de São Pedro no Vaticano, porém até hoje segue como a segunda maior das basílicas papais na cidade.

Por 1435 anos preservou o seu formato original, porém em 15 de julho de 1823 um incêndio destruí boa parte da basílica e das obras de artes que faziam parte de seu acervo.

Para a reconstrução, iniciada em 1825, sobre o comando do arquiteto Pasquale Belli, o Vaticano recebeu doações das grandes nações do mundo. O trabalho de reedificação foi criterioso, de modo a buscar a originalidade da antiga basílica.

Em 1840 o Papa Gregório XVI consagrou a basílica, no entanto sua reinauguração foi somente em 10 de dezembro de 1854, pelo Papa Pio IX, dois dias depois da proclamação do dogma da Imaculada Conceição.

Ao longo dos séculos, os Papas fizeram melhorias e acrescentaram à Basílica detalhes arquitetônicos e artísticos muito importantes como a Porta Bizantina do século IX, o Claustro dos Vassalletto, os mosaicos da fachada de Pietro Cavallini, o Candelabro Pascal de Nicola D’angelo e Pietro Vassalletto, e sobre o túmulo de São Paulo e o altar Papal, podemos ver o Baldaquino gótico de Arnolfo di Cambio.

Como exemplos destes embelezamentos podemos destacar:

No século V, o Papa Leão Magno fez com que mosaicos cobrissem o Arco do Triunfo e para recordar o poder dos papas sob a área da basílica começou a famosa série de medalhões representando cada um dos papas da história.

Atualmente temos 266 mosaicos distribuídos no teto e no transepto. Todos os papas da história estão retratados iniciando com Pedro até o nosso Papa Francisco. Apenas o mosaico referente ao Papa atual permanece iluminado.

O Papa Gregório VII mandou instalar a bela porta da frente, que consiste em cinquenta e quatro painéis gravados em placa de prata que, remetem ao século XI.

Sob o seu altar-mor encontra-se o túmulo do santo e sobre ele fica uma lamparina alimentada por azeite cuja chama e pavio são mantidos vivos pelos monges beneditinos, em uma celebração cotidiana do culto de São Paulo. Lá também estão os Achados arqueológicos, como uma grande lápide de mármore, que traz a inscrição “PAULO APOSTOLO MART”, reforçando a tradição de que ali está sepultado o apóstolo.

Nove elos das correntes que teriam usado para acorrentar o Apóstolo, antes que ele fosse decapitado, também estão lá, conservados num relicário de bronze.

A Basílica tem estilo bizantino, com 131,66 metros de comprimento, 65 de largura e 30 de altura. É composta por uma nave central e quatro naves laterais, sustentadas por 80 colunas de mármore puro, uma verdadeira floresta de pedra, oferecendo uma visão magnífica aos peregrinos que a visitam. Seu pórtico, com quatro faces, mede 70 metros de largura e possui 150 colunas de mármore, e expõe hoje uma belíssima imagem de São Paulo, do escultor Giuseppe Obici.

Além da Basílica, existe ao redor da Igreja uma Abadia Beneditina, alguns espaços verdes, um claustro e áreas para exposições. Todo este conjunto arquitetônico é patrimônio da Igreja mesmo estando fora dos limites do estado do Vaticano.

Ao final de nossas visitas, juntamente com nossos peregrinos elevamos uma prece pedindo ao grande Apóstolo dos Gentios que ilumine e proteja concedendo ajuda e alívio a todos os fiéis e aos peregrinos que, com sincera devoção, visitam este lugar sagrado de sua memória, para reavivar a própria fé e invocar a salvaguarda sobre o caminho de santificação e sobre o compromisso da Igreja, em vista da propagação do Evangelho no mundo contemporâneo.